domingo, 5 de junho de 2016

DESERTO


Quase aqui e acolá  
Mas ali sem ser lá
Ínfimo nada
De uma transparência banal...

Como queimam as tardes
Estupidamente iguais,
Calor colado aos ossos,
Torpor quente, dorido
Ausência entranhada, segura
Longe do oásis
Que os sentidos buscam
Sem cessar...

Adelson Amaral
5/6/2015










domingo, 29 de maio de 2016

Numa folha de papel amarrotada
Com palavras inscritas não ditas
Permanece o halo dos passos graciosos
Sempre presentes sempre ausentes
Metáfora de uma história inacabada
Que se repete até à exaustão
Ora vento ora pena
Meio sorriso meio desdém
Completa etapa de um tempo escasso 
Que foge de abrupto da inquietude 
Do desespero dos sonhos aniquilados
pela prepotencia dos cobardes

Ficarás por aí esfíngica altiva
Desapossada do mundo que te amou
Só 
Sem silêncio sem dor sem perfume
Quadro perfeito para o teu desamor


Adelson Amaral
28/05/2016










domingo, 1 de maio de 2016

Vivo na Esperança de um Gesto

Vivo na esperança de um gesto 
Que hás-de fazer. 
Gesto, claro, é maneira de dizer, 
Pois o que importa é o resto 
Que esse gesto tem de ter. 
Tem que ter sinceridade 
Sem parecer premeditado; 
E tem que ser convincente, 
Mas de maneira diferente 
Do discurso preparado. 
Sem me alargar, não resisto 
À tentação de dizer 
Que o gesto não é só isto... 
Quando tu, em confusão, 
Sabendo que estou à espera, 
Me mostras que só hesitas 
Por não saber começar, 
Que tentações de falar! 
Porque enfim, como adivinhas, 
Esse gesto eu sei qual é, 
Mas se o disser, já não é... 

Reinaldo Ferreira, in 'Um Voo Cego a Nada' 

Sign of the times

Sou

Sou o que sabe não ser menos vão 
Que o vão observador que frente ao mudo 
Vidro do espelho segue o mais agudo 
Reflexo ou o corpo do irmão. 
Sou, tácitos amigos, o que sabe 
Que a única vingança ou o perdão 
É o esquecimento. Um deus quis dar então 
Ao ódio humano essa curiosa chave. 
Sou o que, apesar de tão ilustres modos 
De errar, não decifrou o labirinto 
Singular e plural, árduo e distinto, 
Do tempo, que é de um só e é de todos. 
Sou o que é ninguém, o que não foi a espada 
Na guerra. Um esquecimento, um eco, um nada. 

Jorge Luis Borges, in "A Rosa Profunda" 

quinta-feira, 28 de abril de 2016

domingo, 24 de abril de 2016

Poética - Poema de Manuel Bandeira


Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente
protocolo e manifestações de apreço ao Sr. diretor.
Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário
o cunho vernáculo de um vocábulo.
Abaixo os puristas
Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção
Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis
Estou farto do lirismo namorador
Político
Raquítico
Sifilítico
De todo lirismo que capitula ao que quer que seja
fora de si mesmo
De resto não é lirismo
Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante
exemplar com cem modelos de cartas e as diferentes
maneiras de agradar às mulheres, etc
Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbedos
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
O lirismo dos clowns de Shakespeare

- Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.

Prince - AnotherLove

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Esta gente cujo rosto 
Às vezes luminoso 
E outras vezes tosco 

Ora me lembra escravos 
Ora me lembra reis 

Faz renascer meu gosto 
De luta e de combate 
Contra o abutre e a cobra 
O porco e o milhafre 

Pois a gente que tem 
O rosto desenhado 
Por paciência e fome 
É a gente em quem 
Um país ocupado 
Escreve o seu nome 

E em frente desta gente 
Ignorada e pisada 
Como a pedra do chão 
E mais do que a pedra 
Humilhada e calcada 

Meu canto se renova 
E recomeço a busca 
De um país liberto 
De uma vida limpa 
E de um tempo justo 

Sophia de Mello Breyner Andresen, in "Geografia" 

Até Amanhã - de Eugenio de Andrade


Sei agora como nasceu a alegria, 
como nasce o vento entre barcos de papel, 
como nasce a água ou o amor 
quando a juventude não é uma lágrima. 

É primeiro só um rumor de espuma 
à roda do corpo que desperta, 
sílaba espessa, beijo acumulado, 
amanhecer de pássaros no sangue. 

É subitamente um grito, 
um grito apertado nos dentes, 
galope de cavalos num horizonte 
onde o mar é diurno e sem palavras. 

Falei de tudo quanto amei. 
De coisas que te dou 
para que tu as ames comigo: 
a juventude, o vento e as areias. 

Eugénio de Andrade, in "Até Amanhã" 

domingo, 17 de abril de 2016

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

De súbito,
o sopro dilacera a essência do vento
que lapida a pedra,
os avós choram
e lágrimas secam o deserto.
Terrível, a dor que inunda o chão
e aniquila o verde dos progenitores.
Não olho o precipício
mas o Mar que clama marinheiros...

terça-feira, 24 de agosto de 2010

O pássaro, procura o perfume da pétala;
A flôr, ilumina o entardecer da cidade
e anseia a geografia do voo;
O fotógrafo espera, o pôr do sol
ou o luar?

O ancião permanece no olho da serpente,
acossado pelo silêncio das notícias;
O que procura, a águia ou a laranja do deserto?

terça-feira, 11 de maio de 2010

O frio congelou o instante da partida,
Sombra que obliterou
a ingenuidade dos dias descalços.

A dor, na luz da cidade,
de súbito silenciada,
com o teu chão nos passos sem rumo.

O vento traz cheiros,
das palmeiras? das micaias? das casuarinas?
ou apenas do teu sorriso nos rostos dissipados
pelo marulhar da memória...?

Oh meu deserto meu refúgio
minha gargalhada em flôr,
quero o pulsar da tua alma
e o fogo da tua seiva...
Quero...

sexta-feira, 26 de março de 2010

Os metros são silenciosos

Súbitamente
Passos desajeitados
Antílopes graciosos
Cruzam-se na interrogação dos olhos
Represam a essência da laranja
como dunas sedentas de vento
Perfumadas com a framboesa do chocolate

O telefone toca
O auscultador permanece pousado
Não queres escutar

O vento de Março
invade as frestas da janela
Tráz seda
ou porto de afectos?
De manhã
o arco-íris dos olhos
que respiram pinheiros
Bom dia
Sigo para o deserto
O café
espera que o bebas
Arqueologia do futuro
ou insónia d'água?

domingo, 15 de novembro de 2009

Como te dizer, Ó Mar,
que a geografia das ondas
ilumina a alma do vento,
e o silêncio da tarde é fogo,
é rosa sem fim,
é represa da espuma que me gera?

Como te dizer, Ó Mar,
que a Caravela esculpiu afectos de Seda
e rotas Etíopes para as manhãs,
sem muralhas?

Como te dizer, Ó Mar,
que a água liberta
a dor de te saber ausente
e a tristeza de não mais navegar?

Já estrela, extinta,
apenas ecos do viajante
que ousou Conhecer-te
e por ti se perdeu... Ó Mar...

sábado, 14 de novembro de 2009

Quero o Egipto
E os encantos do Mar Vermelho
A burilar a folhagem do Tejo,
Âncora da viagem
Pelos olhos da cidade,
Como se, por te ver,
respirasse futuro...

...Outra vez o rio
e os afectos da rua,
que escolhi amanhecer...

... Outra vez o sorriso
e o perfume do deserto,
que as mãos não têm.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Só o silêncio escuta cânticos do mar,
Só a criança rejubila ao tactear dos cabelos,
Só o vento me leva, Água.

...Na cidade dos murmúrios,
imune às palavras vãs,
sensível às tonalidades do sol,
ora exuberante ora irrequieto, sempre flor,
aconchego lágrimas de praias descalças.

Despojado do chão,
tremo no véu da lua que beija a ria,
como se um súbito exílio
conquistasse o amor que só os olhos vêm.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

O calor trespassa o aconchego dos plátanos,
Vórtice de viagens escutadas
na ternura dos afectos que Sagres abraça.
Amo da varanda, aplaudo, no resguardo da janela,
a dádiva do riso irresistível, que transpõe
desertos, doa estrelas para criar
e palmeiras para voar.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

À tarde, quando o sol rasante
beija o rosto esfíngico
e o trigo abraça a noite,
O mar traz perfumes
de sabor dançante e travo egípcio,
que sobressaltam dias vindouros,
como se trovoadas aniquilassem
a placidez do chão.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Onde?
Senão antes do sonho
quando o orvalho amacia
a terra sedenta de mar
e os oráculos coreografam índicas mãos:
Ali pairam gestos
cantam cigarras
e brota o húmus dos passos marinheiros.



quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Meus dias
Verdes desertos encantados
Desencontrados irrequietos
Doces rebeldes rurais
Virgens naturais primordiais

Meus olhos Teu espanto
Meu Oceano Teu caminho
Tua Ilha Meu amor